A Associação Médica do Espírito Santo (Ames), o Conselho Regional de Medicina do Espírito Santo (CRM-ES) e o Sindicato dos Médicos do Espírito Santo (Simes)  REPUDIAM a forma exagerada e apelativa que o Jornal A Gazeta definiu como título para a matéria publicada hoje (27/10), na página 10: “Erro médico mata mais pacientes do que câncer, diz pesquisa”.

A matéria, em momento algum fala em erro médico. Ela cita que o estudo realizado pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) revela que “mais de dois brasileiros (2,47) morrem em hospitais públicos e privados em decorrência de falhas que matam mais que câncer e doenças cardiovasculares. As incorreções, que também são chamadas de eventos adversos, vão desde erros na dosagem e aplicação dos medicamentos ao uso incorreto de equipamentos e complicações hospitalares”.

Os pontos apontados pelo estudo, necessariamente, não caracterizam erro médico. Falam de atividades que também são responsabilidade de outros profissionais como enfermeiros, técnicos de enfermagem e, sobretudo, dos gestores dos hospitais e unidades públicas e atendimento. É lamentável que manchete apelativa e precipitada como a da matéria de hoje ainda seja publicada de forma indiscriminada, potencializando entendimento incorreto para a população com base em senso comum, sempre apontando, equivocadamente, o médico como culpado pelos problemas de gestão na saúde pública.

Os presidentes das três entidades solicitam reunião com a Direção do Jornal A Gazeta para avaliar a impropriedade do título da referida matéria.

 

Ames
Carlos Alberto Gomes dos Santos

 

CRM-ES
Carlos Magno Pretti Dalapicola

 

Simes
Otto Baptista

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.