O Conselho Regional de Medicina do Espírito Santo (CRM-ES) e a Associação Médica do Espírito Santo (AMES) vêm a público se manifestar a favor do retorno às aulas presenciais no Estado. O CRM-ES e a AMES reiteram a importância de que as decisões em relação à reabertura das escolas sejam tomadas embasadas em critérios técnicos e científicos e que sejam levadas em consideração as consequências de seu fechamento por tempo tão prolongado.

A COVID-19 é uma infecção respiratória causada pelo SARS-CoV-2, um novo Coronavírus que se disseminou de forma epidêmica e atingiu rapidamente todos os continentes terrestres, sendo declarada como pandemia em março de 2020, pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Apesar do número de casos e mortes que temos enfrentado pelo novo coronavírus, não só no Brasil, mas no mundo, crianças são significativamente menos suscetíveis à Covid-19. As crianças e adolescentes, de forma geral, apresentam quadros mais brandos, com gravidade notadamente menores do que na população adulta.

Estudos evidenciaram que crianças menores de 10 anos são menos susceptíveis à infecção pelo SARS-CoV-2 do que adolescentes e adultos e há estudos mostrando que é pouco provável que crianças sejam as fontes primárias de infecção nos domicílios, contrariamente ao que se observa em outras infecções de transmissão respiratória.

No entanto, em março de 2021, quando tivemos recordes de mortes pela COVID -19 em nosso Estado e país, a opção novamente foi de fechamento das escolas e suspensão das aulas presencias.

Crianças e adolescentes brasileiros têm o direito a cuidados qualificados e eficazes assegurado pela Constituição Federal, sendo dever do Estado e da Sociedade prover mecanismos para que os recursos a eles direcionados sejam otimizados em seu benefício.

Sabe-se que ausência de aulas presenciais prejudica o desenvolvimento socioemocional, bem como repercute de forma negativa no desenvolvimento de habilidades sociais que demandam modelagem de grupo e que só ocorre quando crianças estão com outras crianças da mesma faixa etária, sob mediação de um adulto, no caso, o professor.

Crianças em situação de maior vulnerabilidade social têm menos acesso à educação a distância de qualidade e sofrem mais com o fechamento de escolas. Com a suspensão de aulas presenciais, crianças da rede pública estão sem merenda escolar, que muitas vezes representa a principal refeição do dia. As mulheres têm um comprometimento significativamente maior da atividade profissional, considerando-se, ainda, que as famílias brasileiras monoparentais são de predomínio matriarcal, o que contribui com as já enormes desigualdades sociais e de gênero no Brasil.

Outra preocupação é com relação ao aumento dos episódios de violência doméstica contra as crianças (física, psicológica e sexual), observado desde o início da pandemia devido ao isolamento social, a mudança das rotinas familiares e insegurança econômica. As escolas e os professores são sentinelas na identificação, mediação e notificação dos casos suspeitos, tendo papel fundamental na proteção das crianças e adolescentes.

Crianças e adolescentes portadoras de deficiência estão mais propensas a aumento de irritabilidade e ansiedade e suas famílias estão mais suscetíveis ao adoecimento psíquico devido o ambiente tóxico no qual estão inseridos.

A utilização excessiva de dispositivos de tela (celulares, tablets, computadores etc.) estão afetando o desenvolvimento neuropsíquico, a visão, a audição, o sono, a alimentação, aumenta a incidência de obesidade (devido ao sedentarismo) e dificuldade de socialização.

Entendemos que a educação deveria ser considerada atividade essencial e como tal deveriam ser os últimos a fechar e os primeiros a abrir.

Com os protocolos bem estabelecidos para adoção de medidas de prevenção, a escola torna-se um local seguro para os professores e funcionários, que compreendem e são completamente capazes de cumprir as medidas necessárias para a mitigação do contágio, e para as crianças.

Salientamos, ainda, o posicionamento da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), da Sociedade Espiritossantense de Pediatria (SOESPE) e da Sociedade de Infectologia do Espírito Santo (SIES), que recomendam o retorno presencial das atividades escolares.

Diante do exposto, o CRM-ES e AMES se manifestam favoravelmente à reabertura das escolas e retorno das aulas presenciais e solicita que a decisão de suspensão das aulas seja reconsiderada pelas autoridades competentes.

Referências

1- WORLD HEALTH ORGANIZATION. WHO conoravirus (COVID-19): Dashboard with vaccination Data. Disponivel em
https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019?gclid=Cj0KCQjwyN-DBhCDARIsAFOELTnQenq7j0LOlo-OzfsliUy2LZQTLo6494p8HzwmZc8MtwlwyKHBoN4aAmiJEALw_wcB .Acesso em 11 abr. 2021.

2- UNESCO. Impacto da COVID-19 na educação. Disponível em
https://pt.unesco.org/covid19/educationresponse. Acesso em 11 abr. 2021.

3- SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA (SBP). Repercussões do isolamento social na aprendizagem e no comportamento dos estudantes: desafios a enfrentar. (documento científico) SPD, n.5, mar 2021. Disponível em: www.sbp.com.br/ . Acesso em 12 abr. 2021.

4- SOCIEDADE ESPIRITOSSANTENSE DE PEDIATRIA (SOESPE) E SOCIEDADE DE INFECTOLOGIA DO ESPÍRITO SANTO (SIES). Posicionamento da Sociedade Espiritossantense de Pediatria (SOESPE) e da Sociedade de Infectologia do Espírito Santo (SIES) com relação ao retorno presencial das atividades da Educação Infantil e do Ensino Fundamental I no estado do Espírito Santo.29 abr 2021

5- GREEN, P.Risks to children and young people during covid-19 pandemic. BMJ, v. 369.2020.

6- SOMEKH, I., SHOHAT, T., BOKER, L.K. et al. Reopening Schools and the Dynamics of SARS-CoV-2 Infections in Israel: A Nationwide Study.Clinical Infectious Diseases, 2021.

7- FRANÇA. Ministre de L’Education Nationale de la Jeunesseet des sports. COVID-19: points de situation. Disponível em
https://www.education.gouv.fr/covid19-points-de-situation-306444. Acesso em 11 abr. 2021.

8- TAKEFUJI, Y. Open Schools, Covid-19, and Child and Teacher Morbidity in Sweden [carta ao editor]. N Engl J Med (mar, 2021). Disponível em:
https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMc2026670#article_citing_articles . Acesso em 11 abr. 2021.

9- SOCIETÉ FRANÇAISE DE PÉDIATRIE. Plaidoyer pour le maintien des écoles ouvertes, les sociétés savantes de pédiatrie se mobilisent. Jan. 202. Disponível em:
https://www.sfpediatrie.com/actualites/plaidoyer-maintien-ecoles-ouvertes-societes-savantes-pediatrie-se-mobilisent . Acesso em 12 abr. 2021.

10- SZABLEWSKI, C.M., CHANG, K.T., BROWN, M.M et al.. SARS-CoV-2 Transmission and infection among attendees of an overnight camp – Georgia, June 2020. Morb Mortal Wkly Rep (MMWR), 2020. Disponível em:https://www.cdc.gov/mmwr/volumes/69/wr/mm6931e1.htm. Acesso em 13 abr. 2021.

11- AMERICAN ACADEMY OF PEDIATRICS. Children and COVID-19: state level data report. Disponível em:
https://services.aap.org/en/pages/2019-novel-coronavirus-covid-19-infections/children-and-covid-19-state-level-data-report . Acesso em 11 abr.2021.

12- MASSACHUSETTS DEPARTMENT OF PUBLIC HEALTH. Information of the outbreak of Coronavirus disease 2019 (COVID-19) [update april 2021). Disponível em:
https://www.mass.gov/resource/information-on-the-outbreak-of-coronavirus-disease-2019-covid-19. Acesso em 11 abr. 2021.

13- VINER RM, MYTTON OT, BONELL C, et al. Susceptibility to SARS-CoV-2 Infection Among Children and Adolescents Compared With Adults:A Systematic Review and Meta-analysis.JAMA Pediatr., v. 175, n.2, 2021.

14- THOMPSON, L.A., RASMUSSEN, S.A. One Year Later, How Does COVID-19 Affect Children? JAMA Pediatr., v. 175, n.2, 2021.

15- GUDBJARTSSON, D.F., HELGASON, A.H., JONSSON, H. et al. Spread of SARS-CoV-2 in the Icelandic Population. N Engl J Med, v. 382, 2020.

16- KOREA CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Coronavirus Disease-19: The First 7,755 Cases in the Republic of Korea. Osong Public Health Res Perspect, v. 11, n.2, 2020.

17- GOTZINGER, F., SANTIAGO-GARCIA, B., NOGUERA-JULIAN, A. et al.. COVID-19 in children and adolescents in Europe: a multinational, multicentre cohort study. Lancet Child Adolesc Health, v.4, 2020.

18- HOANGA, A., CHORATA, K., MOREIRAB, A.. COVID-19 in 7780 pediatric patients: A systematic review. EClinical Medicine, v.24, 2020. Disponivel em:
https://www.thelancet.com/journals/eclinm/article/PIIS2589-5370(20)30177-2/fulltext. Acesso em 11 abr. 2021.

19- PRATA-BARBOSA, A., LIMA-SETTA, F., SANTOS, G.R.D. et al. Brazilian Research Network in Pediatric Intensive Care, (BRnet-PIC). Pediatric patients with COVID-19 admitted to intensive care units in Brazil: a prospective multicenter study. J Pediatr (Rio J), v.96, n5 2020. Disponível em:
https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32781034/. Acesso em 11 de abril de 2021.

20- DAVIES, N.G., KLEPAC, P., LIU, Y.et al.Age-dependent effects in the transmission and control of COVID-19 epidemics. Nat Med 26,2020.

21- VINER, R.M.; MYTTON, O.T., BONELL, C., et al. Susceptibility to SARS-CoV-2 Infection Among Children and Adolescents Compared With Adults:A Systematic Review and Meta-analysis.JAMA Pediatr., v. 175, n.2, 2021 Disponível em:
https://jamanetwork.com/journals/jamapediatrics/fullarticle/2771181. Acesso em 12 abr. 2021

22- FANTINI, M.P., RENO, C., BISERNI, G.B. et al. COVID-19 and the re-opening of schools: a policy maker’s dilemma.Ital J Pediatr, v.46,n.79, 2020.Disponível em:https://ijponline.biomedcentral.com/articles/10.1186/s13052-020-00844-1, acesso em 12 de abril de 2021.

23- COURTNEY, D., WATSON, P., BATTAGLIA, M, et al.. COVID-19 Impacts on Child and Youth Anxiety and Depression: Challenges and Opportunities. Can J Psychiatry, v.10, 2020. Disponível em:https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/0706743720935646. Acesso em 12 de abr. de 2021.

24- EUROPEAN NETWORK OF OMBUDSPERSONS FOR CHILDREN/UNICEF. Ombudspersons and comissioners for children challenges and responses to COVID-19. Disponível:http://enoc.eu/wp-content/uploads/2020/06/ENOC-UNICEFF-COVID-19-survey-updated-synthesis-report-FV.pdf. Acesso em 11 de abril de 2021.

25- WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Considerations for school-related public health measures in the context of COVID-19. Disponível em:
https://www.who.int/publications/i/item/considerations-for-school-related-public-health-measures-in-the-context-of-covid-19. Acesso em 11 abr 2021.

26- CENTER FOR DISEASE CONSTROL AND PREVENTION (CDC). Operational Strategy for K-12 Schools through Phased Prevention [update mar 2021]. Disponivel em
https://www.cdc.gov/coronavirus/2019-ncov/community/schools-childcare/operation-strategy.html. Acesso em 11 abr 2021.

27- ZIMMERMAN, K. O., AKINBOYO, I.C., BROOKHART, M.A. Incidence and Secondary Transmission of SARS-CoV-2 Infections in Schools. Pediatrics, v. 147, n.4, 2021. Disponível em:https://pediatrics.aappublications.org/content/147/4/e2020048090. Acesso em 11 abr. 2021.

28- GILLIAM, W.S., MALIK, A.A., SHAFIQ. M., et al. COVID-19 transmission in US child care programs {pre-publicação].Pediatrics. 2020. Disponível em:
https://pediatrics.aappublications.org/content/pediatrics/early/2020/10/12/peds.2020-031971.full.pdf. Acesso em 11 abr. 2021.

29- LICHAN, G., DORIA, C.A., COSSI, J. et al. Reopening Schools in the Pandemic Did Not Increase COVID-19 Incidence and Mortality in Brazil. 2021. Disponível em:
https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=3812173. Acesso em 11 abr. 2021.

30- PUBLIC HEALTH AGENCY OF SWEDEN.Covid-19 in schoolchildren A comparison between Finland and Sweden. 2020.Disponível em:
https://www.folkhalsomyndigheten.se/contentassets/c1b78bffbfde4a7899eb0d8ffdb57b09/covid-19-school-aged-children.pdf . Acesso em 12 abr. 2021.

31- ISMAIL, S.A., SALIBA, V., BERNAL, J. et al. SARS-CoV-2 infection and transmission in educational settings: a propesctive, cross-sectional analysis of infection clusters and outbreaks in England. The Lancet Infectious Disease, v.21, n.3, 2021. Disponível em:
https://www.thelancet.com/journals/laninf/article/PIIS1473-3099(20)30882-3/fulltext. Acesso em 12 abr 2021.

32- LINK-GELLES, R., DELLAGROTTA, A.L., MOLINA, C., et al. Limited Secondary Transmission of SARS-CoV-2 in Child Care Programs – Rhode Island, June 1-July 31, 2020.MMWR Morb Mortal Wkly Rep., v. 69, n.34, 2020. Disponível em:https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7451972/ . Acesso em 12 abr. 2021.

33- STUB, S.T.. Going to School amid a pandemic. Disponível emhttps://www.usnews.com/news/best-countries/articles/2020-06-24/israels-schools-struggle-with-reopening-amid-coronavirus-pandemic. Acesso em 12 abr. 2021.

34- STEIN-ZAMIR, C., ABRAMSON, N., SHOOB, H., et al. A large COVID-19 outbreak in a high school 10 days after schools’ reopening, Israel, May 2020. Euro Surveill, v. 25, n.29, 2020.

35- FONSECA, R.P., SGANZERLA, G. C., ENEAS, L.V.. Fechamento das escolas na pandemia de COVID-19: impacto socioemocional, cognitivo e de aprendizagem. Debates em Psiquiatria, out-dez 2020. Disponivel emhttps://d494f813-3c95-463a-898c-ea1519530871.filesusr.com/ugd/c37608_b58db686b0624d57a76716e941f2f60f.pdf. Acesso em 12 abr. 2021.

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.