Em um novo afronta e total desrespeito das autoridades públicas à classe médica, mais um município capixaba pretende contratar médicos oferecendo remuneração muito abaixo do piso salarial da categoria.

Há uma semana, divulgamos nota oficial repudiando e alertando a classe médica a respeito dos salários vis que a Prefeitura de São Roque do Canaã oferece no processo seletivo simplificado que aplicará.

Agora, a Prefeitura de João Neiva, em desrespeito maior, abre concurso público para contratação de clínico geral e médico do trabalho com salário ainda menor: R$ 1.982,22 para 30 horas semanais.

De acordo com o Anexo III, do Edital de Concurso Público Nº 001/2016 – PMJN, por essa remuneração vil, as atribuições do MÉDICO CLÍNICO GERAL serão: “realizar consultas e atendimentos médicos; tratar pacientes e clientes; implementar ações de prevenção de doenças e promoção da saúde, tanto individuais quanto coletivas; coordenar programas e serviços em saúde, efetuar perícias, auditorias e sindicâncias médicas; elaborar documentos e difundir conhecimentos da área médica. Realizar tarefas inerentes à área de saúde pública.”

E ao MÉDICO DO TRABALHO caberá: “realizar consultas e atendimentos médicos; tratar pacientes e clientes; implementar ações de prevenção de doenças e promoção da saúde, tanto individuais quanto coletivas; coordenar programas e serviços em saúde, efetuar perícias, auditorias e sindicâncias médicas; elaborar documentos e difundir conhecimentos da área médica.”

Mais uma vez, o Conselho Regional de Medicina do Espírito Santo (CRM-ES) informa que o piso salarial do médico, divulgado pela Federação Nacional dos Médicos (Fenam), é de R$ 12.993,00 para 20 horas semanais de trabalho. Portanto, R$ 1.982,22 por 30 horas semanais está além do inaceitável.

Reforçamos a orientação para que os médicos capixabas reflitam bastante antes de participarem de concursos públicos que ofereçam salários desrespeitosos para a categoria, haja vista o nível de responsabilidade do ato médico.


E mais uma vez alertamos: pensar que, após aprovado em concurso público e exercendo as atividades profissionais, conseguirá reverter esse desrespeitoso relacionamento entre empregador e empregado é deixar se enganar. Um acordo ou contrato profissional precisa ser iniciado de forma justa e respeitosa, de modo a dignificar o profissional e a representar, como dito, o nível de responsabilidade por ele assumida.

Diretoria do CRM-ES

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.