Representantes do Conselho Regional de Medicina do Espírito Santo (CRM-ES), da Associação Médica do Espírito Santo (Ames) e do Sindicato dos Médicos do Espírito Santo (Simes) participaram, na noite de ontem, 7 de abril (Dia Mundial da Saúde), de uma reunião ampliada de mobilização em defesa da saúde, no auditório do CRM-ES. Os profissionais discutiram propostas para os gestores de planos de saúde, como a contratualização com especificação dos índices de correção dos valores remunerativos, data base anual para renovação dos contratos e reposição da defasagem dos valores contidos na Classificação Brasileira de Honorários e Procedimentos Médicos (CBHPM).

A reunião, aberta à participação de todos os médicos interessados, contou com a presença também de profissionais e do presidente do Conselho de Saúde da Assembleia Legislativa do Espírito Santo, Hércules da Silveira. O presidente do CRM-ES, Severino Dantas, disse que esses encontros serão rotineiros, para garantir um movimento mais forte e uniforme.

Para a construção da pauta de reivindicação para os gestores de saúde suplementar, o secretário-geral do CRM-ES, Celso Murad, destacou a importância de ouvir as sociedades de especialidades. O presidente da Ames, Carlos Magno Pretti Dalapicola, destacou que as sociedades podem se organizar para garantir uma negociação mais eficiente.

Saúde Pública

Sobre a saúde pública, foram pedidos mais recursos para o setor, com reajuste imediato da Tabela SUS e a aprovação do Projeto de Lei de Iniciativa Popular Saúde+10, que vincula 10% da receita bruta da União à saúde (PLP 321/2013). Também é reivindicada a criação de uma carreira pública e a desprecarização do trabalho médico.

Segundo Celso Murad, na pauta de reivindicação para o setor público estão a realização de concurso público com salário adequado; o plano de cargos, carreira e vencimentos; as melhores condições de trabalho e de atendimento adequado para a população. Ele criticou os investimentos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) no Espírito Santo, que utilizou apenas 5,7% dos recursos orçados desde 2011.

A reunião de ontem (7/4) marcou, também, o início dos trabalhos, em 2014, da Comissão de Honorários Médicos, coordenada por Celso Murad. Ele espera estabelecer uma rotina de encontros com a classe médica e pretende ter uma proposta fechada para os gestores de saúde suplementar e pública até o mês de julho deste ano.

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.