Rede dos Conselhos de Medicina
Palestra da conselheira Karoline Calfa orientou e esclareceu dúvidas a respeito das questões éticas da telemedicina

Convidada pelo programa Orienta Hucam – Covid + Chikungunya, a nutróloga e conselheira do CRM-ES, Dra. Karoline Calfa, ministrou palestra online a respeito das questões éticas da telemedicina, ocasião em que orientou e esclareceu dúvidas a respeito do assunto. O programa Orienta Hucam é realizado em parceria com o CRM-ES.

A palestra foi aberta ao público, na noite da última quinta-feira (18/03) e contou com cerca de 30 participantes. Como disse Dra. Karoline, “com a necessidade de isolamento social e a restrição de deslocamento imposta pela pandeia, foi necessário se adaptar e recorrer a meios digitais para que pacientes, médicos e familiares pudessem fazer contato, realizar suas consultas de revisão, ajustes de medicamento e manter vínculos afetivos”.

A telemedicina, então, completou a médica, foi reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) para a realização de atendimento médico a distância durante o combate à Covid-19. No entanto, regras precisam ser seguidas em respeito à ética e eficiência do atendimento e tratamento prescrito, bem como a necessidade de regulamentação e de maior discussão com as sociedades de especialidades.

Entre as responsabilidades éticas, esclareceu a médica, estão a preservação do sigilo, da confidencialidade e da privacidade nas informações entre médico e paciente, bem como os devidos registros das orientações e prescrições médicas em prontuários clínicos, entre outras. E a Lei nº 13.787/2018 – Lei do Prontuário Eletrônico determina que “os meios de armazenamento de documentos digitais deverão protegê-los do acesso, do uso, da alteração, da reprodução e da destruição não autorizados.”

A médica deixou claro, também, que em várias situações clínicas a consulta presencial é fundamental para que o diagnóstico e a definição do melhor tratamento sejam estabelecidos. Cabe ao médico informar ao paciente quando a consulta presencial se faz necessária para, então, ter a melhor definição do tratamento.

Cada caso clínico é diferente e nem todos podem ser avaliados e atendidos de forma virtual. Caberá ao médico informar ao paciente da necessidade da consulta presencial, quando identificada essa necessidade.

Palestra Karol

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner